A escola e o ensino da linguagem

O processo de aprendizagem da leitura e escrita deve ser feita em conjunto. É preciso que as escolas repensem a forma como elas ensinam para garantir que os estudantes consigam aprender sem que eles se esqueçam depois.


Vamos discutir um pouco sobre essa relação entre a escola e a língua! Para começar, vamos trabalhar com dois exemplos que podem nos ajudar a entender mais sobre essa relação.

História um

A tia decide dar um livro a um de seus sobrinhos no Dia das Crianças. Ele tem oito anos. Quando ela o entrega, o garoto pergunta intrigado: tia, por que você me daria um livro se eu já sabia ler?

História dois

O pai tem em sua mesa uma foto de Joyce, já velho e cego, descendo de um carro na Dublin cinza. Sua filha de 6 anos pergunta um dia quem ele é. O pai responde que James Joyce, um escritor irlandês morto a quem ele admira muito. Ele estava escrevendo em cursiva?, pergunta ela.

Qual é a relação entre alfabetização e linguagem?

E entre alfabetização e literatura?

Discutimos alfabetização como discutimos uma técnica. E acreditamos que o fazemos bem porque as crianças leem e escrevem em nossas escolas. Um pouco depois eles não leem e nem escrevem, e nós reclamamos.

Mas acreditamos que uma coisa não tem nada a ver com a outra. E eu quero acreditar que sim. O que é curioso é que de todas as crianças que ensinamos a ler e escrever com sucesso todos os anos, apenas muito poucas leem e escrevem depois.

Para eles, ler é saber ler e escrever é ter uma caligrafia razoável, se não uma boa ortografia. Nós os confundimos estruturalmente e nunca os despertamos.

Discutimos muito como alfabetizar, quando fazê-lo e quais técnicas utilizar. E valorizamos a alfabetização como uma grande mediana da estrutura social.

Ao final, nos sentimos bem-sucedidos porque nossas populações têm taxas decrescentes de analfabetismo. Mas não pensamos nesse processo em uma condição futura.


Quais são as formas de promover a leitura?

Fazemos milhares de programas de incentivo à leitura. Tentamos aliviar e damos a impressão de que essa leitura é um prazer e que aquilo é ótimo.

Mas quando ensinamos a ler, não relacionamos essa técnica a essa outra atividade constitutiva. E daí vem o questionamento para tentar entender o motivo pelo discutimos as duas coisas, mas nunca as relacionamos.

Terceiro dado

Medimos as taxas de leitura em nossas sociedades. E fazemos isso pelo número de livros que as pessoas leem em um determinado período. No entanto, encontramos taxas muito baixas em toda a América Latina.

Mas por que não vinculamos os milhões de fiéis que leem a Bíblia repetidamente com o que tecnicamente chamamos de "leitores"?

O que tem o leitor da Bíblia que não nos parece um leitor? Porque se os leitores da Bíblia fossem considerados leitores, as taxas seriam significativamente mais altas e de outros extratos sociais.

Acho que não os consideramos leitores por duas razões. Nós os ignoramos porque eles leem apenas um livro e acreditamos no leitor variado e progressivo. Além disso, não percebem que estão lendo, porque o que para eles o que vale a pena é a fé.

Quarto dado

Nos lares latino-americanos existe uma biblioteca (entendida como 40 livros juntos, à vista e ao alcance) apenas em 19% dos casos. E esse número mal cresce para 39% no segmento ABC1.


Se analisássemos as bibliotecas escolares, você pode imaginar que conclusões chegaríamos. Em outras palavras, o quadro simbólico de leitura, escrita e literatura é quebrado em nossos países; em casa e nas escolas. Nós não valorizamos o idioma.

E, no entanto, reclamamos, como se o problema fosse dos outros. Olhamos para os lados e fazemos o gesto típico de repulsa punitiva que gostamos tanto de fazer quando verificamos novamente que ler e escrever não é coisa de nossas crianças e jovens.

A escola ignora o que causa e assume que falta de jeito e preguiça são de famílias e estudantes, mas não dela. A escola não é inteligente e abrangente ao analisar o que realmente importa para ela.

Ela opera repetidamente e faz o mesmo. Ignora fenômenos que poderiam abrir outros horizontes e nos tornar educadores de outra maneira e de outra magnitude.

Mas não. Voltamos aos negócios como de costume e programamos a alfabetização. Nós amamos a ortografia e seus ditados; a escrita para treinar gramática e insistimos em ler os clássicos ou seus equivalentes.

Eu poderia dizer que somos tolos e um pouco teimosos, mas acho que é um pouco pior. Somos bastante perversos e gostamos do status quo que nos deixa à vontade no lugar da censura, crítica, lamento e hierarquia.

Porque se não fosse por isso, ele nunca poderia me explicar como não somos capazes de abrir o problema e encontrar novas maneiras de ativá-lo.

História final

Ele sabia que queria ser escritor. Havia-o decidido quando menino, como premonição e talvez como fatalidade. E agora que ele tem 17 anos, tem que definir a faculdade em que estudará. Não está claro para ele; mas ele só sabe de uma coisa: como será escritor, a única coisa que não deve estudar é literatura.

É preciso rever a forma como ensinamos nossos alunos e ler e escrever. Esses processos não são separados e é preciso pensar em outras formas de lecionar.

Escute o nosso podcast sobre a casa como ambiente de aprendizagem.

2 visualizações0 comentário
Vivadi_logo-extenso-vermelho.png
Acompanhe pelas redes
  • Gris Icono de Instagram
  • Gris Icono de YouTube
  • Gris Facebook Icono

Rua Booker Pittman, 163

Morumbi, São Paulo – SP
CEP: 04711-030

+55 11 94925-5796

contato@vivadi.com.br